post-title Como se proteger se desconfiar que está sendo seguida

Como se proteger se desconfiar que está sendo seguida

Como se proteger se desconfiar que está sendo seguida

Como se proteger se desconfiar que está sendo seguida

Você já esteve em alguma situação na qual desconfiou que estava sendo seguida, ou observada? Seja indo para o trabalho, faculdade ou voltando da academia, em um país onde em todos os anos uma a cada 4 mulheres sofrem algum tipo de violência (tomamos como referência os números do fórum brasileiro de segurança pública), números esses que podem ser ainda maiores se levarmos em conta a grande subnotificação que ocorre nesses casos. Aprender o que fazer em situações assim torna-se uma grande necessidade.

As dicas a seguir, portanto, irão te dar uma visão ampla sobre como agir em diversos cenários e estar preparada para conseguir chegar ao seu destino, mantendo intactas sua integridade física e psicológica.

Mantenha-se alerta

Se manter atenta é um princípio básico quando falamos em defesa pessoal, afinal essa atitude pode muitas vezes te livrar de situações de risco, mesmo antes que elas se consumam. É algo amplamente sabido que um agressor vai, na imensa maioria das vezes, procurar a vítima mais distraída, pois assim ele terá maiores chances de êxito na sua abordagem.

Aqui é preciso tomar cuidado com os principais ladrões de atenção: Smartphones que acusam diversas notificações enquanto você anda na rua ou dirige, e fones de ouvido no volume máximo, deixando você em uma bolha na qual é impossível manter a atenção no ambiente que a cerca.

Mapear o ambiente ao seu redor pode ser uma excelente ideia quando falamos de avenidas movimentadas ou mesmo ruas desertas, uma boa tática é sempre que possível olhar em algumas direções e se certificar que não há ninguém te olhando de forma exagerada, ou mesmo refazendo seus passos. Além disso, é necessário também se manter alerta para possíveis “pontos de risco”: caçambas de lixo, esquinas, travessas de rua, parte lateral de bancas de revistas… Enfim, qualquer lugar de onde possa surgir um agressor.

Siga seu instinto

Aqui é importante desconstruirmos um conceito muitas vezes mal empregado quando falamos sobre defesa pessoal: A ideia de “se você começar a pensar nisso tudo ficará paranoica”. Seguir seus instintos e agir a partir deles é exatamente o oposto disso, é tomar uma decisão consciente, guiada pela razão, após avaliar um determinado cenário e chegar à conclusão de que algo está errado.

Em uma cena do filme “Os homens que não amavam as mulheres”, dirigido por David Fincher, o personagem de Daniel Craig é convidado para entrar na casa do homem que ele tem certeza ser o assassino que procurava, mesmo hesitante ele aceita o convite e quase se torna mais uma vítima. Antes de dominá-lo, o assassino, vivido pelo ator sueco Stellan Skarsgård, tem com ele um dos diálogos mais significativos do filme, onde ele afirma que o personagem de Daniel aceitou o convite apenas para não parecer rude, mesmo sabendo o que iria acontecer, e por último emenda com uma pergunta: “Por que será que ninguém segue seus instintos?”.

Vamos então a uma dica de ouro: se você não se sente bem em uma determinada situação, saia! Seu instinto está geralmente certo quando se trata de segurança pessoal. Mesmo se for alguém conhecido, afinal, cerca de 76% das mulheres agredidas no Brasil afirmaram que conheciam o agressor.

Tirando a prova

Você seguiu o tópico anterior, percebeu algo estranho, mas ainda quer confirmar que de fato se trata de uma perseguição?

Uma ação bem prática que você pode tomar é se utilizar de algumas táticas evasivas, tais como atravessar a rua uma ou duas vezes e observar a reação do suspeito (aqui vale até tentar conferir por reflexos ou espelhos, para não ficar todo tempo olhando para trás), ou até mesmo fingir que está cumprimentando algum conhecido. São atitudes que podem confundir ou desencorajar um possível perseguidor.

Lugares a evitar

Caso você tenha certeza de que há alguém te seguindo, é importante prestar atenção em sua rota. Ruas mais desertas, lugares abandonados ou áreas mais afastadas de parques devem ser evitados.

Você pode relacionar esse tópico com o que falamos sobre estar atenta ao ambiente que a cerca, dessa maneira poderá perceber qual o melhor caminho a seguir e de quais pontos deve passar longe.

Mantenha a calma

Nesse tipo de cenário crítico, a sua maneira de pensar e encarar a situação pode ser determinante para que consiga sair dela sem maiores consequências. Mantenha um diálogo interno, pensando positivo e falando para si mesma que tudo acabará bem se conseguir ficar calma.

Claro que em uma situação de estresse como essa, seguir esse princípio pode ser bem difícil, e irá depender da inteligência e controle emocional de cada pessoa, algo que pode ser aprimorado nas aulas de Krav Maga.

Afinal, quanto mais você conseguir manter uma mentalidade positiva e confiante, maior será sua clareza de pensamentos, ajudando a achar soluções ou mesmo lembrar dessas dicas para conseguir escapar.

Zonas de segurança

Ao começar a se afastar de quem estiver te seguindo, é importante procurar locais que irão lhe prover um nível maior de segurança, onde você possa chamar outra pessoa, pedir uma corrida em algum aplicativo de transporte, ou mesmo ligar para a polícia.

Bares, restaurantes, lojas e demais estabelecimentos comerciais são excelentes zonas de segurança, em virtude de serem locais movimentados, que muitas vezes possuem uma equipe de segurança ou circuito interno de gravação. Esses fatores têm grande chance de dissuadir o agressor.

Caso esteja em um parque, pode procurar barracas de vendas, bases móveis da polícia, ou mesmo se misturar em algum lugar mais movimentado, sempre mantendo-se atenta aos movimentos de quem você suspeita estar te seguindo.

Encarar o agressor e chamar a atenção

Caso você por algum motivo não consiga encontrar nenhuma zona de segurança, ainda há algumas medidas que podem dissuadir o suspeito. Não tenha medo de encara-lo, mesmo que à distância, e perguntar por que ele está tomando aquela direção, o que pretende ou mesmo por que está te olhando.

Uma opção um pouco mais extrema, mas que você também pode fazer caso se considere de fato em perigo, é começar a falar alto ou até mesmo gritar, com intenção de chamar a atenção das pessoas para vocês.

Luta corporal, pontos sensíveis e objetos comuns

Caso todas essas medidas não surtam efeito, você deve estar preparada para lutar e fazer o que tiver de fazer para se defender contra qualquer agressão e sair sã e salva.

Recomendo fortemente que para isso você comece a treinar Krav Maga, pois é a única técnica reconhecida mundialmente como defesa pessoal, em virtude de sua eficácia, e que não exige força física para usá-la com sucesso.

Nas aulas você irá aprender, por exemplo, a sempre buscar atingir pontos sensíveis no corpo do agressor (garganta, olhos, nariz, região genital ou joelhos), pois são áreas nas quais não é preciso aplicar tanta força para causar um grande dano ou muita dor.

Sabendo onde atingir o agressor, você pode usar muitos objetos comuns que você porta no dia a dia ou mesmo que estejam disponíveis no local, para conseguir se defender. Mochilas ou bolsas são excelentes para bloquear ataques, uma chave pode causar cortes e até perfurar, garrafas térmicas (de alumínio ou não) podem potencializar o dano causado se usadas para golpear. Enquanto um punhado de areia, pedrinhas ou mesmo um lenço, podem ser usados para distrair o agressor em um primeiro momento, te dando tempo para fugir ou entrar com um segundo golpe.

Além disso, você também pode portar alguns objetos voltados exclusivamente para isso, tais como bastão retrátil, sprays incapacitantes, canetas táticas de defesa ou um Spikey (objeto de defesa pessoal israelense). Sendo indispensável o treinamento para saber como usar cada um deles, vale até mesmo fazer simulações e entender o melhor lugar para portar e como sacar em uma situação de risco.

Repito constantemente para os meus alunos algumas dessas dicas, e já ouvi diversos relatos sobre como foram úteis em situações reais. Em nossas aulas tento sempre simular diversos cenários que podem acontecer na vida real, dessa forma é mais fácil se preparar para o pior dos casos.

Se você quiser conhecer um pouco mais sobre o Krav Maga, acesse o nosso primeiro artigo no site, explicando as origens e princípios do Krav Magá, ou ainda acessar o site da Federação Internacional de Krav Maga, lá você encontra a lista de academias credenciadas e o número da nossa central de atendimento para maiores informações.

Federação Internacional de Krav Magá:

www.kravmaga.org.br

Central de Atendimento:

(11) 97041-9797

Sobre Caio Marrama

• Instrutor de Krav Magá • Licenciado pela Federação Internacional de Krav Magá • Formação em Defesa Contra Ameaça de Arma de Fogo, Enfrentando Assaltos Violentos, Uso de Bastão Tático, dentre outros