COMO TUDO COMEÇOU O mau tempo adiou a estreia da vela nos Jogos Olímpicos. As competições estavam previstas em Atenas 1896, mas as condições climáticas só possibilitaram a realização do torneio na edição seguinte dos Jogos, em Paris 1900. Mulheres e homens competiram juntos em todas as classes até Seul 1988, quando tiveram início os eventos separados. Nos Jogos Rio 2016, apenas uma classe tem tripulação mista obrigatória, a Nacra 17. SOBRE A COMPETIÇÃO As regatas Olímpicas são disputadas em embarcações com o mesmo design e as mesmas especificações técnicas dentro de cada classe, de modo que o sucesso do velejador depende quase exclusivamente de sua técnica. Características pessoais podem ser decisivas: velejadores muito leves não costumam ter bom desempenho em classes que exigem muita força, como a Finn, por exemplo. Nas regatas, o trajeto é delimitado por boias, que devem ser contornadas por lados específicos. Após uma série de regatas, os 10 melhores velejadores disputam as medalhas em cada classe. Em um esporte em que o vento serve de combustível, o vencedor costuma ser o velejador que melhor se adaptar às condições climáticas e de navegação. Assim, uma boa noção de meteorologia pode ser tão valiosa quanto os preparos técnico e físico do atleta. VOCÊ SABIA? O brasileiro Robert Scheidt e o britânico Ben Ainslie são os velejadores mais premiados dos Jogos Olímpicos, com cinco medalhas cada Um total de 49 classes da vela já fizeram parte do programa Olímpico, incluindo classes com barcos de até 20 toneladas. (Fonte: Rio2016) » Olímpico / Paralímpico

Mostrando 20 de 24 itens

Contagem:
Ordenar por:
Ordem: